Obras mantém escritor Raimundo Neves presente na história de Humaitá

O escritor, poeta e historiador, Raimundo Neves encerrou a sua história de vida, em 1º de dezembro de 2018, deixando uma contribuição importante para literatura brasileira, em especial, amazônica e humaitaense, com nove livros publicados.
Hoje (31 de agosto de 2020) ele estaria completando 77 anos de idade e de muitas páginas escritas. Homem, oriundo do coração da selva amazônica, às margens do rio Uruapiara, em Humaitá, Raimundo Neves foi um grande admirador das belezas da floresta, dos rios, dos lagos e dos igapós que enfeitiçaram a sua alma.
Ele soube, com sabedoria e arte, descrever, cantar em prosas e em lindos versos o que os seus olhos captaram daquele mundo, no qual viveu até a sua juventude.
Sua literatura é um ramalhete diversificado da história e das tradições desta terra, que muito nos ensina e que há de ensinar os que nos sucederem.
No mundo das letras, Raimundo Neves foi membro efetivo da Academia de Letras de Rondônia – cadeira nº 32 – cujo patrono é o Comendador José Francisco Monteiro; Sócio-Correspondente da Academia de História do Amazonas; Membro-Correspondente do Instituto Cultural do Vale Caririense de Juazeiro do Norte-CE; Sócio Titular da Associação dos Escritores do Amazonas; Sócio relações públicas da Associação dos Amigos de Ferreira de Castro – São João da Madeira – Portugal; Cidadão Benemérito de Humaitá, Sócio Fundador da União dos Artistas de Humaitá; Amigo da Cultura de Porto Velho; e publicou artigos em jornais do Brasil e de Portugal.
Raimundo Neves também recebeu, Voto de Aplauso do Senado Federal Brasileiro, proposto pelo Senador Arthur Virgílio, líder do PSDB, e foi homenagiado pela Assembleia Legislativa do Estado de Rondônia.
Recebeu (in memória) a Medalha Álvaro Maia, mais importante comenda concedida pela Câmara de Vereadores de Humaitá.