Indígenas vão ao STF pedir proteção sanitária a povos isolados durante pandemia

Foto: pib.socioambiental.org/pt

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) pediu que os invasores sejam retirados, com o envio de forças militares, das reservas dos povos ianomâmis, karipuna, uru-eu-uau-uau, caiapó, arariboia e mundurucu.
A Apib disse que 405 indígenas morreram da Covid-19 até o dia 27 de junho, e que 112 povos diferentes têm 9.983 infectados.
Em Surucucu, famílias ianomâmis ficaram assustadas inicialmente com a chegada de pessoal médico, suprimentos de equipamentos de proteção e remédios em helicópteros militares barulhentos.
Os homens se atrapalharam com as máscaras ao cobrir os rostos pintados com tinta vermelha extraída de cascas de árvores.
“A saúde indígena faz bem para a gente, ajuda a gente. Viemos aqui para pedir ajuda, para ver se estamos bem. Caminhamos quatro horas para chegar aqui”, disse um ancião ianomâmi através de uma grande máscara branca, por meio de um intérprete.
Enfermeiras mediram temperaturas e fizeram exames rápidos de Covid-19.
“Quando a gente chega, eles ficam meio receosos, nos observam de longe e aí vamos ganhando a confiança e com isso todos vão se aproximando e acaba tudo ocorrendo bem”, disse Fernanda Ribeiro, tenente e médica da Força Aérea Brasileira. “Eles acabam gostando. Tem sido muito gratificante!”

Fonte: www.cnnbrasil.com.br