Com salários atrasados, jogador passa dificuldade na Albânia e não tem permissão de voltar ao Brasil

Vicente de Paula está sem receber salário há 4 meses (Foto: Reprodução/Primeiro Tempo/BandSports)

O sonho de fazer uma carreira internacional se transformou em um verdadeiro pesadelo para o lateral Vicente de Paula. Jogador do KF Bylis Ballsh, da Albânia, ele está sem receber há quatro meses e não tem permissão para voltar ao Brasil. Não bastasse a já delicada situação, a mãe de Vicente morreu em fevereiro passado, vítima de câncer no pâncreas, e ele também não foi liberado pelo clube para acompanhar o enterro dela.
“Não tem como explicar o sentimento, é algo único [a perda da mãe]. Assim que soube, quando minha mãe foi para o hospital, os médicos falaram que eu deveria voltar. Conversei com o presidente do clube e a resposta dele foi que seria melhor não, que não ia me liberar. Disse que ia dar todo suporte [no Brasil], mas não deu”, relata Vicente em entrevista para Elia Jr. no Primeiro Tempo desta segunda-feira, 18.
O lateral brasileiro não é o único do elenco que está com salários atrasados e passando por dificuldades no clube albanês. Ele revelou que há atletas que não recebem há mais tempo ainda. Sem dinheiro, as refeições diárias precisam ser feitas no alojamento do Bylis Ballsh. “A federação albanesa disponibilizou 250 euros para os jogadores, mas não tem como sobreviver. Tem jogador com filho, precisamos mandar dinheiro para a família”, lamenta.
Após jogar na Ucrânia, Vicente conta que foi parar na Albânia por intermédio de um agente que o enganou. “Ele entrou em contato, ofereceu, a proposta era boa, aceitei, mas quando cheguei era tudo diferente. Mentiu para mim. É muito triste, porque a gente vem para jogar, para melhorar [de vida], e fica nessa situação. Fico triste porque é o sonho de qualquer garoto, qualquer jogador. Não aconteceu somente comigo.”
Como o próprio Vicente disse, seu caso não é o único no mundo. É preciso cada vez mais que as entidades responsáveis tomem as medidas necessárias para ajudar o lateral brasileiro e outros atletas ao redor do mundo. “Continuei jogando, treinando. Pedi para me liberarem porque não tenho cabeça. No jogo até consigo, mas bate um desânimo. Quero voltar para casa”, pede Vicente.

Fonte: Band.com.br