Para 49%, atendimento em saúde deve piorar sem cubanos no Mais Médicos

0
860

Pelo menos 49% dos brasileiros acreditam que o atendimento público de saúde tem chances de piorar com a saída dos médicos cubanos do programa Mais Médicos, depois que Jair Bolsonaro impôs condições que não estavam no contrato dos profissionais firmados com o governo brasileiro, de acordo com pesquisa do Instituto Datafolha, publicada nesta quinta-feira (3).
Outros 38%, de acordo com o levantamento, acham que a saúde pode melhorar após a saída dos cubanos, enquanto outros 8% avaliam que a saúde ficará igual. Já 5% não opinaram.
O Datafolha ouviu 2.077 pessoas em 130 municípios. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.
Cerca de 8.500 médicos cubanos atuavam no programa brasileiro, número equivalente a metade do total de profissionais em atividade no Mais Médicos.