Humaitá alcança meta de vacinação contra o sarampo entre crianças de 3 e 4 anos

0
77

O município de Humaitá está entre os 48 municípios que alcançaram a meta de vacinação entre crianças de 3 e 4 anos. A informação foi divulgada pelo diretor-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), esta semana.
Quatorze municípios que não alcançaram cobertura vacinal de rotina. São eles: Beruri, Codajás, Iranduba, Itacoatiara, Juruá, Manacapuru, Maués, Nova Olinda do Norte, Novo Airão, Parintins, São Gabriel da Cachoeira, Silves, Tabatinga e Tefé.
Isso significa que a meta de vacinação contra o sarampo entre crianças de 3 e 4 anos para este ano não foi alcançada no Amazonas. “Apesar de termos alcançado a meta de 97% na campanha nacional de vacinação, no Estado, quando analisamos por faixa etária, essa cobertura não foi alcançada, por exemplo, entre as crianças de 3 e 4 anos. A vacinação deve ser homogênea, pois o vírus do sarampo continua circulando de forma ativa no Estado”, disse Bernardino, ressaltando ainda a situação de municípios que não estão atingindo a meta de vacinação de rotina.
Na última quinta-feira (8), cerca de 14 técnicos da FVS passaram por treinamento voltado para Atualização da Situação Epidemiológica do Sarampo no Estado e depois seguirão para os municípios prioritários para ajuda-los na definição de estratégias para o alcance das metas de vacinação de rotina, no bloqueio e na identificação de novos casos.
Segundo Bernardino, as ações de imunização são desenvolvidas pelas Secretarias Municipais de Saúde. Os técnicos da FVS seguirão in loco para fortalecer e reforçar junto às equipes dos municípios as ações de bloqueio imediato, investigação epidemiológica e busca ativa de novos casos. A estratégia recebeu apoio do Ministério da Saúde que, nessa terça-feira (6), enviou seis técnicos, para apoiar as ações de controle do sarampo na capital e no Estado.
“Precisamos do empenho de todos, tanto do setor da saúde quanto da população em geral. O maior grupo de risco ainda são crianças menores de cinco anos”, afirma Bernardino.