Mil padres deixam a Igreja Católica por ano, para se casar

0
116

Com mil “deserções” por ano para o casamento, segundo estudo,não seria a hora da Igreja Católica rever a ordenação de homens casados? O assunto voltou a ser lembrado esta semana entre as paredes do Vaticano, graças à intervenção do episcopado belga.
O tema, polêmico, foi lançado pelo auxiliar de Bruxelas, d. Jean Kockerols, a seus cerca de 300 colegas de episcopado que participaram até ontem do encontro voltado para discussão de vocações juvenis. O assunto até hoje avançou, mas pode até ser retomado no ano que vem, quando haverá um sínodo específico sobre a Amazônia.
A diminuição do número de sacerdotes em todo o mundo é um dos fenômenos que mais afeta a Igreja Católica no mundo – há crescimento apenas na África e na Ásia. Indagado em várias ocasiões, o papa Francisco recordou que a proibição de ordenar padres não faz parte da doutrina inicial da Igreja – que permitiu o casamento até o século 11.
Uma investigação independente, apresentada no Vaticano em pleno Sínodo, aponta para a perda de 60 mil sacerdotes nas últimas décadas – pessoas que deixaram a batina para casar. O estudo corrobora outro levantamento, de 2007, que apontava para a perda de 69 mil padres, com essa motivação, entre 1964 e 2004. Em 2016, havia 414 mil sacerdotes católicos em todo o mundo. Segundo o vaticanista italiano Enzo Romeo, são mil abandonos por ano.
O tema pode voltar com força no ano que vem. Um documento preparatório para o Sínodo da Amazônia, publicado em junho, observou que “o clamor de milhares de comunidades privadas da Eucaristia” precisa ser ouvido. E sugere o ordenamento “viri probati” – de homens idosos, casados, mas com caráter e reconhecimento da comunidade (uma ideia que teria aval do papa Francisco, segundo jornais alemães).