Bloqueio: WhatsApp espera que decisão do STF seja “ponto final”

whatsappbloqueio

Depois do desbloqueio pela presidente Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, o WhatsApp emitiu um comunicado e afirmou que espera que a decisão do STF seja um “ponto final” no bloqueio de apps.
O uso do aplicativo ficou suspenso nesta terça-feira (19) por várias horas, em todo o Brasil, por determinação Justiça do Rio de Janeiro.
“Esperamos que a decisão coloque um ponto final nos bloqueios que têm penalizado milhões de brasileiros para que eles possam continuar usando serviços como WhatsApp para manter contato com quem realmente importa para eles”, informou a empresa em comunicado oficial.
O WhatsApp ressaltou ainda que o aplicativo é usado diariamente e seu bloqueio afetou milhares de brasileiros. “Em sua decisão, o presidente do STF enfatiza como as pessoas em todo o país, incluindo membros do Judiciário, contam com o WhatsApp para se comunicar todos os dias, e como todos são afetados quando o serviço é bloqueado.”
Bloqueio em todo o Brasil
O bloqueio do WhatsApp foi determinado nesta terça-feira pela juíza Daniella Barbosa Assumpção de Souza, da 2ª Vara Criminal de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense (RJ). Na decisão, a magistrada afirmou que o aplicativo descumpriu decisão judicial de interceptar mensagens postadas para uma investigação criminal. Esta foi a terceira suspensão do WhatsApp determinada pela justiça no Brasil.
Após a decisão, o Facebook, proprietário do aplicativo, alegou que não poderia cumprir o bloqueio porque as mensagens são criptografadas e, portanto, inacessíveis. Desde abril deste ano, o WhatsApp começou a adotar o recurso de segurança chamado criptografia de ponta a ponta.
Depois de uma nova determinação da Justiça brasileira de bloqueio do aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp no País, o fundador e presidente executivo do serviço, Jan Koum, se pronunciou por meio de seu perfil oficial no Facebook. Segundo ele, a equipe já está trabalhando para desbloquear o WhatsApp no Brasil. “É chocante que menos de dois meses após os brasileiros rejeitarem o bloqueio de aplicativo a história esteja se repetindo”, disse Koum.

Comentar

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*